segunda-feira, 2 de abril de 2018

As Vendas e o Ovo de Colombo

Você conhece a famosa história sobre o “Ovo de Colombo”?


Aos que não a conhecem, resumidamente trata-se de uma narrativa metafórica que conta sobre a descoberta das Índias pelo navegador italiano Cristóvão Colombo.



Foto: João Paulo, Big John, Pacto.
Em 1942 Cristóvão Colombo, navegador italiano, recebeu o apoio do Rei e Rainha da Espanha para fazer uma viagem pelo Oceano Atlântico, tentando chegar ao Continente Asiático. Partiu do Porto de Palos, Espanha e, em 12 de outubro do mesmo ano, aportou na Ilha de San Salvador (Bahamas), pensando ter alcançado as Índias.

De volta à Espanha, o navegador passou a ser admirado por muitos e invejado e criticado por outros que alegavam ter sido tal feito algo muito simples de realizar. Bastava que qualquer outro navegador tivesse percorrido ao acaso aquele caminho e descobriria o Novo Mundo. Não precisava ser nenhum gênio para fazer isso.

Ao participar de um banquete organizado pelo Cardeal Mendoza, Colombo foi questionado sobre a descoberta das novas terras e perguntado sobre a possibilidade de outro ser capaz de fazer o mesmo se ele não o tivesse feito.

Colombo então pediu a atenção de todos os presentes, apresentou um ovo e propôs que alguém colocasse o mesmo em pé… muitos tentaram, mas ninguém conseguiu encontrar uma solução para equilibrá-lo.

Cristóvão Colombo tomou então o ovo, bateu delicadamente uma das extremidades contra a mesa deixando a casca achatada e colocou assim o ovo em equilíbrio, de pé. Vendo isso todos alegaram que essa solução era fácil e simples demais e qualquer um poderia fazer o mesmo.

– Assim foi com a descoberta do Novo Mundo, retrucou Colombo. Todos poderiam ter feito o mesmo, se antes tivessem tido a ideia e a capacidade de colocá-la em prática! [1]
Segundo consta, este episódio não aconteceu com Colombo, mas sim com o arquiteto e também italiano, Filippo Brunelleschi (1377-1446), autor da cúpula da catedral de Florença que, quando questionado por outros arquitetos sobre a impossibilidade de fazer a grandiosa obra, inspirada no Panteão Romano, redarguiu com a já dita proposta do Ovo em Pé.

Em resumo a história, aparentemente, não aconteceu com Colombo, mas contado por ele ou por seus contemporâneos, ganhou força como sendo de sua autoria e chegou aos dias de hoje como "O Ovo de Colombo!"

Bom! E o que isso tem a ver com as metas do comercial?

Foto: João Paulo, Big John, Pacto.

Os resultados das vendas, ou seja, as metas batidas são sempre, como o próprio nome diz, RESULTADOS, mas não de uma liderança específica, nem somente de um departamento e sim de uma coletividade que, dentro de um contexto, através de processos bem estabelecidos, motivação, resiliência e muita obstinação, superam-se para alcançar os números desejados, primeiro por eles mesmos, sem o qual não os alcançariam, depois pela empresa.

Em relação ao departamento comercial, especificamente, esta premissa é ainda mais verdadeira.

Os números são alcançados porque primeiramente as pessoas que compõem o time, acreditam que são capazes e que a Meta é possível. Depois, claro, outros fatores podem ajudar com este objetivo, um deles, a liderança.

Aliás, sobre este departamento, cuja gestão há pouco mais de um ano assumi, cabem algumas considerações sobre as mudanças que implementamos e os resultados que estamos tendo, como o de março, um Marco Histórico na Pacto.

Aqui estamos como timoneiros, fazendo pequenos ajustes no curso da nossa Nau, preservando a embarcação.

Neste pouco mais de um ano, trocamos quase toda tripulação, sendo que alguns pediram para deixar-nos, não concordando com os rumos da mesma  ou vendo no mercado possibilidades melhores do que aqui teriam – algo absolutamente normal, outros não adaptaram-se ao que queríamos, sendo então de nossa decisão trocá-los e, além disso, gente nova, para novos processos, vieram compor nossa tripulação, já que as metas eram cada vez mais ousadas e precisaríamos de “gente nova no barco”.

Claro que ao longo do processo, nada simples como escrever estas mal traçadas linhas, muitos “piratas” surgiram querendo afundar e saquear a embarcação. Alguns, arvorando-se como os “sábios”, julgando-se detentores de longa experiência, não pararam para pensar que o que aprenderam no passado, ou o que deram-lhe resultados até então, não seriam suficientes para os novos mares a serem navegados a partir de agora.

Felizmente outros tantos somaram-se à embarcação, dos diretores aos vários departamentos e pessoas da empresa, juntos, trabalhando em prol dos resultados que temos hoje.

E os resultados são incontestáveis: nunca chegamos aos números de vendas deste momento. Nunca vendemos tanto em nossa história! Em relação a 2016 mais que dobramos os resultados e, neste março de 2018, chegamos perto do triplo da média de vendas de 2016, ao mês, chegando às incríveis 50 (cinquenta) novas contas.

"Eu disse 50 - cinquenta - contas novas!"

Não é vaidade de um ou de outro, não é querer confetes, nada disso. Trata-se de uma evidência de um resultado acima da média.

E tudo isso tem uma explicação, talvez mais que outras: temos um time trabalhando juntos com os mesmos objetivos. Todos com o que podemos chamar de sangue nos olhos, todos com muita vontade e uma inconfundível paixão por vendas!

Foto: João Paulo, Big John, Pacto.
Claro que ainda vão surgir quem diga que "colocar o ovo em pé" é simples. São as mesmas pessoas que não tentaram nada, até ver como se faz e, ainda assim, ouso dizer que mesmo sabendo como fazer, poucos vão conseguir "copiar" e fazer. Porque mais que técnica para se vender é preciso paixão e um pouco de loucura, para ter sucesso em vendas.

Aqui sim, estamos construindo uma Máquina de Vendas! E esta máquina, pretende-se, irá navegar por mares nunca antes navegados.

Alguém duvida?

Paulo de Tarso F Castro.
Gerente Comercial Nacional - Pacto Soluções
Goiânia - GO - Brasil



sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

2017, que ano maravilhoso!

Em vendas você é tão bom quanto o seu último resultado.

Então permita-me, neste momento, apenas comemorar nosso último resultado!


Estaria mentindo se dissesse que o ano começou com boas expectativas. Claro que não! Se o fizesse seria taxado de insano, face ao que estava acontecendo em nosso país em fins de 2016, antevendo um ano muito difícil moral e economicamente neste 2017.
Some-se a isso meu particular momento, quando eu estava na ressaca moral de uma enorme frustração em função do meu desafio anterior, empresa na qual eu tinha apostado todas as fichas e, infelizmente, na roda da vida, perdido a aposta.
Ok, vamos lá! Como escrevi no meu perfil em uma rede social, "É preciso ir, sobretudo, em frente!" E foi assim, com este espírito aguerrido que comecei este 2017.
Só quem conhece as minhas dores poderá julgar a qualidade do remédio que ouso tomar, a quantidade e quando.
Tomei a iniciativa, redobrei os cuidados, cerquei-me ainda mais de gente a fim de fazer a diferença e, neste dezembro, não poderia estar fechando um ciclo de maneira mais positiva. FIZEMOS, ACONTECEMOS E VENDEMOS COMO NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTA EMPRESA.
Neste 2017 ampliamos nossa carteira de clientes em quase 20% e crescemos próximo a 230% em VENDAS.

Nossa equipe sofreu uma pontual e necessária reformulação, efeito natural em processos do gênero, mesmo considerando que os "jogadores" que estavam até então, eram tão bons quanto os que temos hoje, mas com a mudança do técnico, muda-se a forma de jogar e, muitos dos que viram nisso uma oportunidade para sair, fizeram esta transição por suas iniciativas e, felizmente, estão muito bem agora, sob nova bandeira.
Isto posto, claro, restou uma importante lição deste 2017:

“Não se perde um jogo de véspera! É preciso entrar em campo e jogar cada minuto como se fosse o último, em uma simbiose entre jogadores e treinador, administrando as vaidades e compreendendo que jogamos todos por um só time, todos por um só resultado.”

Então, por isso e talvez não só por isso, tivemos um 2017 maravilhoso, como está no título deste post.
É claro que as mudanças de componentes no time continuarão a existir, algo natural e bom para a empresa, para o nosso departamento e tudo mais que nos cerca. Talvez um ou outro de nós não estejamos aqui ao fim de 2018, mas é certo que quem estiver estará comemorando um 2018 maravilhoso e saberá, sempre, que deixou sua contribuição.
Isso porque, saliente-se, o resultado nunca será de uma individualidade de um departamento ou de uma pessoa. Será sempre o reflexo de um trabalho coletivo, de todas as áreas e departamentos, toda sua diretoria e cada um dos seus membros. Resultado dos que estão aqui hoje e dos que estiveram antes de nós.
Um Feliz 2018 está começando agora! E eu não lhe desejo isso, não somente, mas convido-o a construí-lo, dia-a-dia, como fizemos em 2017, sem desistir um único minuto.
Bora lá, porque aqui... bom, AQUI É COMERCIAL!
#aquiehcomercialPACTO #PactoSolucoes #thesalesteamPACTO

Paulo de Tarso,
Gerente Nacional Comercial, Pacto Soluções.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Não fazemos trocas. Nem queremos clientes!

Hoje é terça-feira, dia da nossa conversa sobre ATENDIMENTO AOS CLIENTES, este ser tão desejado e, quase sempre, tão mal atendido por nossas empresas.

E, nesta época de fim de um ano, início de outro, lidamos com as tradicionais trocas de presentes que, em muitos casos, viram trocas das trocas, uma vez que o presente adquirido não nos sirva por quaisquer que sejam as razões.

Aí, quando vamos até a loja onde nosso gentil amigo ou familiar adquiriu o presente, para trocá-lo, nos deparamos com a convidativa frase cuja parte está no título do nosso artigo: NÃO FAZEMOS TROCAS!

Algumas delas vem com complementos diversos, tais como: “aos sábados”; “se não houver defeito”; “exceto por outra do mesmo modelo, tamanho e preço”, etc.

Isso quando não ocorre que, embora façam trocas, exigem tantas informações e criam tantas dificuldades que, honestamente, saem-se piores do que aqueles que simplesmente dizem não trocar.

A bem da verdade, após o esforço que todo comerciante, empresário ou prestador de serviços tem para sensibilizar o cliente e fazê-lo dirigirem-se até sua loja, lembrando sempre que este esforço são normalmente altos investimentos em marketing, a um custo quase sempre elevado, nós MANDAMOS ESTE CLIENTE EMBORA, por uma burocracia burra e pelo despreparo que temos para atender bem e fazer o potencial cliente tornar-se, ele mesmo, um novo cliente.

Lembre-se, nem sempre que vem para a troca é o cliente que adquiriu o produto ou serviço e que, se a equipe estiver bem treinada e a empresa abrir mão desta burocracia pouco inteligente, pode-se ter um novo cliente que, talvez até não compre nada na hora para complementar o produto passível de troca, mas sairá de lá com as melhores impressões da empresa e não hesitará em voltar para comprar, quando algo precisar, isso sem falar na famosa indicação, o marketing boca-boca.

Como indicar uma empresa que, ao ter o cliente em sua porta, não o atende, dizendo que não procederá a troca?

Em alguns casos pode-se dizer que não é legal, ou seja, que o empresário tem o direito de não trocar, por exemplo, quando o produto não apresenta defeitos de fabricação. Sim, isso é um fato, mas não é aqui uma questão do Direito e sim das boas práticas de encantamento e atendimento ao cliente que, se bem aplicadas, perpetuará nosso negócio.

Por isso, da próxima vez que puder, mude suas placas para: “FAZEMOS TROCAS! E com sorrisos sinceros, atendimento excelente e o desejo de que você, cliente, possa voltar, SEMPRE!”

Pense nisso!

Abraços e até o próximo bate-papo.


Paulo de Tarso F Castro


Nota: este artigo poderá ser publicado em jornais, revistas e outros veículos, sem autorização específica do autor, desde que mantido integralmente, com a respectiva citação da fonte.


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Seja bem vindo! Tem certeza?

Clientes podem demitir todos de uma empresa, do alto executivo para baixo,simplesmente gastando seu dinheiro em algum outro lugar. - Sam Walton - Grupo WalMart

Ontem fui almoçar em um fast food no shopping próximo ao local onde trabalho, no Jardim Goiás, em Goiânia.

Para minha surpresa, em plena segunda-feira pós natal, o shopping estava cheio, pessoas andando, comprando e consumindo, com filas inclusive na loja para a qual me dirigi.

Enquanto aguardava na fila, apareceu um jovem funcionário da loja, altamente solícito realizando uma PRÉ-VENDA!


Como manda os padrões de etiqueta e bom atendimento, cumprimentou-me educadamente, sempre com um sorriso, falando-me dos pratos disponíveis e das razões pelas quais eu deveria escolher uma SABOROSA picanha que, aliás, declinei rapidamente, uma vez que não seria aquele o prato que mais me agradaria.

“Sem problemas!”, disse ele, aprovando a minha escolha e já solicitando ao cozinheiro que fosse preparando o prato por mim escolhido, indicando-me o caixa, não sem antes “avisar” a atendente que aquele cliente especial já havia escolhido sua opção e estava apenas aguardando-a para registrar a compra.

Fui bem atendido pela senhorita, fiquei satisfeito com minha escolha e saí de lá também feliz com todo o processo de atendimento, além de ter pensado enquanto almoçava neste texto que gostaria de escrever, e agora o faço. Afinal, bons exemplos devem ser compartilhados.

Ocorre que na correria do dia a dia, acabei não registrando em texto a impressão e hoje, em um rápido passeio pelas redes sociais, vi 3 amigos próximos reclamando de 3 lojas de departamentos aqui em Goiânia, todas elas de atuação nacional. E na hora me cobrei por este depoimento, quando poderia falar exatamente de uma boa história.

Claro que a loja que causou-me uma boa impressão tem seus cases de insucesso pelo Brasil e até mesmo fora dele, claro que um ou outro poderá comentar este texto compartilhando suas frustrações (e alegrias. Espero que façam).

Mas o registro é daquele momento, naquela loja e por aquele time. E sim, nestas particulares circunstâncias, foram uma referência de sucesso no bem atender.

Fiquei imaginando o quanto as empresas investem em treinamentos, quando investem, e não obtém resultados, como esta loja conseguiu.

Quantas empresas analisam as razões pelas quais não estão conseguindo atrair, atender e manter os clientes?

Trabalho com treinamentos de atendimento a clientes há anos, e sempre vejo o empresário enxergar os custos de um treinamento, nunca (ou quase) os resultados que estes podem proporcionar-lhes.

Um bom treinamento pode não ser o único indicativo de um bom resultado, uma vez que questões de personalidade também devem ser consideradas, mas é sem dúvidas um excelente meio de MEDIR se vale a pena continuar treinando ou se o melhor caminho é desligar o profissional, antes que este cause estragos em nossa empresa.

Vejam só, se aquele jovem foi treinado para fazer o que fez e se qualquer outra pessoa na “linha de montagem”, também treinados para executarem suas partes, houvesse falhado, todo o processo falharia.

Ele fez uma excelente pré-venda com seu atendimento diferenciado. Mas qualquer uma das partes poderia comprometer o processo e a imagem do todo. Assim, um erro de um colaborador comprometeria todo o time, comprometeria a marca. E isso é imperdoável em um mercado de commodities e alta concorrência, que é onde grande parte de nossas empresas estão hoje.

A falta de treinamentos adequados que preparem as pessoas para um atendimento excelente, fecha milhares de empresas todos os dias.

Não raro vemos lojas espetaculares, com móveis e decoração aconchegantes, mas atendimentos sofríveis e, o que é pior, quase nunca os investidores, donos do negócio, enxergam ONDE estão perdendo dinheiro ou conhecem as várias razões pelas quais os clientes não estão comprando seus produtos ou serviços, ainda que sejam muito bons.

Pessoas atendem pessoas. Se não investimos em treinamentos de forma recorrente, buscando não menos que a excelência, teremos pessoas mal treinadas deixando imagens ruins em seus clientes, que atribuirão este padrão inferior a marca.

Ciclo vicioso que invariavelmente é punido, de forma definitiva pelo cliente, que optará por outra empresa para atender-lhe.

Pense nisso!


Abraços e até o próximo bate-papo.

Ps.: eu almocei no Giraffas do Flamboyant. ;-)

Paulo de Tarso F Castro



Nota: este artigo poderá ser publicado em jornais, revistas e outros veículos, sem autorização específica do autor, desde que mantido integralmente, com a respectiva citação da fonte.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

TOQUE O SINO!

Vibrar é gerar a própria energia, sentindo-se capaz, mesmo quando o cenário esteja ruim ou indicando um futuro nada animador. É nesta hora que podemos separar os que vendem, dos que apenas “tiram pedidos”.

Há alguns anos, quando fui convidado para o Programa de Formação de Trainers da Dale Carnegie, um dos grandes players de treinamentos e desenvolvimento humano do mundo, deparei-me com um desafio que serviu para um reposicionamento quanto ao meu estilo de liderança e, claro, para aprender um pouco mais sobre o comportamento humano, especialmente o meu.

No início do Dale Carnegie Course, era pedido que listássemos um desafio comportamental, destes que impactam no que somos e nos resultados que pretendemos ter, e colocássemos este como META, obedecendo ao acróstico SMART, ou seja, que fosse: eSpecífico; Mensurável; Atingível; Relevante e Temporal.

Neste contexto, estabeleci que precisava aprender a “comemorar minhas conquistas”. Mais do que isso, sendo específico, como se pede no acróstico em sua letra “s”, precisava VIBRAR com estas realizações.

Esta necessidade se devia ao fato de que por meu perfil comportamental, não me fazia de rogado em vibrar com todas as forças do meu ser por qualquer pessoa em suas conquistas, tendo grandes reservas porém quando esta vibração era com minhas próprias realizações.

O futebol com os amigos sempre foi um exemplo: como perna-de-pau que sou, zagueiro por excelência, muito raramente faço gols, embora satisfaça-me muito não deixar que o time adversário chegue a este objetivo.

Raro, porém não impossível, uma ou outra vez consigo fazer um “golzinho”. Claro que mantenho o padrão de não comemorar, mesmo quando este é fruto de uma bela jogada ou por si só um belo gol, ainda que fazer este belo gol seja algo tão comum quanto encontrar um político honesto, é bom o reforço.

Recentemente, pela terceira vez no período de um ano, fiz uma excelente venda, respondendo por bater minhas metas e também contribuindo com a meta global da empresa onde estava, uma franquia de uma grande corporação de software.

Ao concluir a venda, já ao fim do dia do último dia útil do mês (nada mais “vendedor” do que isso), fui correndo para a empresa com o objetivo único de TOCAR O SINO que lá existe, chegando já muito além das 18 horas, quando praticamente não havia mais ninguém naquela imensidão de sala. Ainda assim, toquei o sino com todas as forças do meu ser, fazendo-me acompanhar por alguns gritos e urros, só compreensível por quem, ao vender, consegue enxergar-se não como um vendedor batendo sua meta, mas como um campeão, no melhor estilo Ayrton Senna, ao cruzar a linha de chegada com uma única marcha em sua McLaren, vencendo o Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1, em 1991, ou seja, realizando um feito ÚNICO na sua vida e na vida dos que o cercam.

Fiz isso porque das outras vezes em que bati minhas metas, em apenas uma delas eu toquei o tal sino, todo sem jeito por achar que aquela comemoração era quase que uma afronta aos colegas, quando na verdade ela poderia ser a responsável por motivá-los e para relembrá-los da capacidade e grande possibilidade de serem eles os responsáveis por TOCAR O SINO também.

Este foi também o resultado do que havia sido meu compromisso lá no treinamento, quando trabalhei em mim meus medos, meus fantasmas, compreendendo que sempre haveria motivos para vibrar.

E quando vibrei, percebi que realmente é preciso vencer os próprios preconceitos e as travas mentais para comemorar, primeiro consigo mesmo, depois com os colegas, comemorando cada momento destas conquistas que não são somente suas,  já que somos produto do meio e nossos esforços, quando resultam em sucesso, carregam neles uma contribuição de todos que nos cercam.

Estou falando de vendas, mas a necessidade de comemorar e vibrar com os seus, sejam eles colegas de trabalho ou membros da família, vai muito além disso.

Vibrar é gerar a própria energia, sentindo-se capaz, mesmo quando o cenário esteja ruim ou indicando um futuro nada animador. É nesta hora que podemos separar os que vendem, dos que apenas “tiram pedidos”. Dos que batem metas, dos que dão desculpas, conforme artigo que escrevi a este respeito, há um bom tempo.

É hora de separar os que são parte das soluções, quaisquer que sejam elas, dos que contentam-se apenas em apresentar os problemas, sentar à beira do caminho e lamentar.

Por isso, na próxima vez que conseguir algo, uma conquista particular ou coletiva, independente do tamanho da mesma, não se faça de rogado, COMEMORE, TOQUE O SINO e permita-se o prazer de perceber-se capaz, realizador e realizado.

Aproveitando, qual a sua META que pode ser escrita em SMART? Quando você irá tocar o sino?


Pense nisso!

terça-feira, 21 de julho de 2015

Para Quando Eu Me For

Este texto me emocionou profundamente e, não tenho dúvidas, irá fazer o mesmo com você que, como eu, está aí na correria do dia a dia, buscando o que acha que é preciso, em detrimento do que é necessário.

Inspire-se!
Paulo de Tarso.
========================================


Para quando eu me for...

 - by @rafaelzoehler 

Morrer é uma surpresa. Sempre. 
Nunca se espera. 
Imagem Effecta Coaching
Nem mesmo o paciente terminal acha que vai morrer hoje ou amanhã. Na semana que vem talvez, mas apenas se a semana que vem continuar sendo na semana que vem.
Nunca se está pronto. Nunca é a hora. 
Nunca vamos ter feito tudo o que queríamos ter feito. 
O fim da vida sempre vem de surpresa, fazendo as viúvas chorarem e entediando as crianças que ainda não entendem o que é um velório (Graças a Deus).
Com meu pai não foi diferente. Na verdade, foi mais inesperado. Meu pai se foi com 27 anos, a idade que leva muitos músicos famosos. Jovem. Moço demais. Meu pai não era músico nem famoso, o câncer parece não ter preferência. Ele se foi quando eu ainda era novo, descobri o que era um velório justamente com ele. Eu tinha 8 anos e meio, o suficiente pra sentir saudade pelo resto da vida. 
Se ele tivesse morrido antes, não haveriam lembranças. Nem dor. Mas também não haveria um pai na minha história. E eu tive um pai.
Tive um pai que era duro e divertido. 
Que me colocava de castigo com uma piadinha pra não me magoar. Que me dava um beijo na testa antes de dormir. Hábito esse que eu levei para os meus filhos. Que me obrigou a amar o mesmo time que ele e que explicava as coisas de um jeito melhor que a minha mãe. Sabe? Um pai desses que faz falta.
Ele nunca me disse que ia morrer, nem quando já estava deitado cheio de tubos. Meu pai fazia planos para o ano que vem mesmo sabendo que não veria o próximo mês. No ano que vem iríamos pescar, viajar, visitar lugares que nenhum de nós conhecia. O ano que vem seria incrível. Eu vivi esse sonho com ele.
Acho, tenho certeza na verdade, que ele pensava que isso daria sorte. Supersticioso. 
Pensar no futuro era o jeito dele se manter otimista. O desgraçado me fez rir até o final. Ele sabia. Ele não me contou. Ele não me viu chorar a sua perda.
E de repente o ano que vem acabou antes de começar.
Minha mãe me pegou na escola e fomos ao hospital. 
O médico deu a notícia com toda a sensibilidade que um médico deixa de ter com os anos. Minha mãe chorou. Ela também tinha um pingo de esperança. Como disse antes, todo mundo tem. Eu senti o golpe. Como assim? Não era só uma doença normal dessas que a gente toma injeção? 
Pai, como eu te odiei. Você mentiu pra mim. Não fiquei triste, pai, fiquei com raiva. Me senti traído. Gritei de raiva no hospital até perceber que meu pai não estava lá pra me colocar de castigo. Chorei.
Mas aí meu pai foi meu pai de novo. 
Trazendo uma caixa de sapato debaixo dos braços, uma enfermeira veio me consolar. 
Dentro, dezenas de envelopes lacrados com frases escritas onde deveriam ficar os nomes dos destinatários. 
Entre as lágrimas e os soluços não consegui entender direito o que estava acontecendo. 
E então a mesma enfermeira me entregou uma carta. A única fora da caixa.
“Seu pai me pediu pra entregar essa pessoalmente e te dizer pra abrir. Ele passou a semana inteira escrevendo tudo isso e disse que era pra você. Seja forte.” Disse a enfermeira com um abraço.
PARA QUANDO EU ME FOR dizia o envelope que ela me entregou. Abri.

Filho,
Se você está lendo eu morri. Desculpa, eu sabia.
Não queria te dizer que ia acontecer, não queria te ver chorar. Parece que consegui. Acho que um homem prestes a morrer tem o direito de ser um pouco egoísta.
Bom, como eu ainda tenho muito pra te ensinar, afinal você não sabe de nada, deixei essas cartas. Você só pode abrir quando o momento certo chegar, o momento que eu escrevi no envelope. Esse é o nosso combinado, ok?
Eu te amo. Cuida da sua mãe, você é o homem da casa agora.
Beijo, pai.
PS: Não deixei cartas para sua mãe, ela já ficou com o carro.

[Foto: Angra Samuel] - Retirada de "O Blog do Mestre"
E com aqueles garranchos, afinal naquela época não era tão fácil imprimir como é hoje em dia, ele me fez parar de chorar. 
Aquela letra porca que uma criança de 8 anos mal entendia (eu, no caso) me acalmou. Me arrancou um riso do rosto. Esse era o jeito do meu pai de fazer as coisas. Que nem o castigo com uma piadinha para aliviar.
Aquela caixa se tornou a coisa mais importante do mundo. Proibi minha mãe de abrir, de ler. Mas elas eram minhas, só pra mim. Sabia decorado todos os momentos da vida em que eu poderia abrir uma carta e ler o que meu pai tinha deixado. Só que esses momentos demoraram muito pra chegar. E eu esqueci.
Sete anos e uma mudança depois eu não tinha ideia de onde a caixa tinha ido parar. Eu não lembrava dela. Algo que você não lembra não faz falta. Se você perdeu algo da sua memória, você não perdeu. Simplesmente não existe. Como dinheiro que depois você acha no bolso da bermuda.
E então aconteceu. Uma mistura de adolescência com o novo namorado da minha mãe desencadeou o que meu pai sabia que um dia aconteceria. Minha mãe teve vários namorados, sempre entendi. Ela nunca casou de novo. Não sei ao certo o motivo, mas gosto de acreditar que o amor da vida dela tinha sido meu pai. Mas esse namorado era ridículo. Eu sentia que ela se rebaixava pra ele. Que ele fazia pouco da mulher que ela era. 
Que uma mulher como ela merecia algo melhor do que um cara que ela tinha conhecido no forró.
Me lembro até hoje do tapa que veio acompanhado da palavra “forró”. Eu mereci, admito. Os anos me mostraram isso. Na hora, enquanto a pele da minha bochecha ardia, lembrei da minha caixa e das minhas cartas. De uma carta em específico que dizia PARA QUANDO VOCÊ TIVER A PIOR BRIGA DO MUNDO COM A SUA MÃE.
Corri para o quarto e revirei minhas coisas o suficiente para levar outro tapa na cara da minha mãe. Encontrei a caixa dentro de uma mala de viagem na parte de cima do armário. 
O limbo. Procurei entre os envelopes. Passei por PARA QUANDO VOCÊ DER O PRIMEIRO BEIJO e percebi que havia pulado essa, me odiei um pouco e decidi que a leria logo depois, e por PARA QUANDO VOCÊ PERDER A VIRGINDADE, uma que eu esperava abrir logo, logo. Achei o que procurava e abri.

Pede desculpa.
Eu não sei o motivo da briga e nem quem tem razão. Mas eu conheço a sua mãe. Então a melhor maneira de resolver isso é com um humilde pedido de desculpas. Do tipo rabinho entre as pernas.
Ela é sua mãe, cara. Te ama mais do que tudo nessa vida. Sabe, ela escolheu parto normal porque alguém disse que era melhor pra você. Você já viu um parto normal? Pois é, quer demonstração de amor maior que essa?
Pede desculpa. Ela vai te perdoar. Eu não seria tão bonzinho.
Beijo, pai.

Meu pai passava longe de um escritor, era bancário, mas as palavras dele mexeram comigo. Havia mais maturidade nelas do que nos meus quatorze anos de vida. O que não era muito difícil por sinal.
Corri para o quarto da minha mãe e abri a porta. Já estava chorando quando ela, chorando também, virou a cabeça pra me olhar nos olhos. Não lembro o que ela gritou pra mim, algo como “O que você quer?”, mas lembro que andei até ela e a abracei, ainda segurando a carta do meu pai. Amassando o papel já velho entre os meus dedos. Ela me abraçou de volta e ficamos em silêncio por não sei quantos minutos.
A carta do meu pai fez ela rir alguns momentos depois. Fizemos as pazes e conversamos um pouco sobre ele. Ela me contou umas manias estranhas que ele tinha, como comer salame com geleia de morango. De algum modo, senti que ele estava ali. Eu, minha mãe e um pedaço do meu pai, um pedacinho que ele deixou naquele papel. Que bom.
Não demorou muito e li PARA QUANDO VOCÊ PERDER A VIRGINDADE.

Parabéns, filho.
Não se preocupa, com o tempo a coisa fica melhor. Toda primeira vez é um lixo. A minha foi com a puta mais feia do mundo, por exemplo.
Meu maior medo é você ler o envelope e perguntar da sua mãe antes da hora o que é virgindade. Ou pior, ler o que eu acabei de escrever sem nem saber o que é punheta (você sabe, não sabe?). Mas isso também não será problema meu, não é mesmo?
Beijo, pai.

Meu pai acompanhou minha vida toda. De longe, sim, mas acompanhou. Em incontáveis momentos suas palavras me deram aquela força que ninguém mais conseguia dar. Ele sempre dava um jeito de me arrancar um sorriso em um momento de tristeza ou de clarear meus pensamentos num momento de raiva.
PARA QUANDO VOCÊ CASAR me emocionou, mas não tanto quanto PARA QUANDO EU FOR AVÔ.

Filho, agora você vai descobrir o que é amor de verdade. Vai descobrir que você gosta bastante da sua mulher, mas que amor mesmo é o que você vai sentir por essa coisinha aí que eu não sei se é ele ou ela. Sou um cadáver, não um vidente.
Aproveita. É a melhor coisa do mundo. O tempo vai passar rápido, então esteja presente todos os dias. Não perca nenhum momento, eles não voltam mais. Troque as fraldas, dê banho, sirva de exemplo. Acho que você tem condições de ser um pai tão incrível quanto eu.

Imagem da internet, retirada do Blog Litterai & Caos
A carta mais dolorida da minha vida foi também a mais curta do meu pai. Acredito que ele sofreu para escrever aquelas quatro palavras o mesmo que eu sofri por ter vivido aquele momento. Demorou, mas um dia eu tive que ler PARA QUANDO SUA MÃE SE FOR.

Ela é minha agora.

Uma piada. Um palhaço triste que esconde o choro por trás do sorriso de maquiagem. Foi a única carta que não me arrancou um sorriso, mas entendi a razão.
Eu sempre respeitei o combinado com meu pai. Nunca li nenhuma carta antes do momento certo. Tirando PARA QUANDO VOCÊ SE DESCOBRIR GAY, claro. Nunca acreditei que o momento de ler essa carta chegaria, então abri muitos anos atrás. Ela foi uma das mais engraçadas, por sinal.

O que eu posso dizer? Ainda bem que morri.
Deixando as brincadeiras de lado e falando sério (é raro, aproveita). Agora semimorto eu vejo que a gente se importa muito com coisas que não importam tanto. Você acha que isso muda alguma coisa, filho?
Não seja bobo, seja feliz.

Sempre esperei muito pelo próximo momento. Pela próxima carta. Pela próxima lição que meu pai tinha pra me dar. Incrível como um homem que viveu 27 anos teve tanto pra ensinar pra um senhor de 85 como eu.
Agora, deitado na cama do hospital, com tubos no nariz e na traqueia (maldito câncer), eu passo os dedos por cima do papel desbotado da última carta. PARA QUANDO SUA HORA CHEGAR o garrancho quase invisível diz.
Não quero abrir. Tenho medo. Não quero acreditar que a minha hora chegou. Esperança, lembra? Ninguém acredita que vai morrer hoje.
Respiro fundo e abro.

Oi, filho, espero que você seja um velho agora.


Sabe, essa foi a carta mais fácil de escrever. A primeira que eu escrevi. A carta que me livrou da dor de te perder. Acho que estar perto do fim clareia a cabeça pra falar sobre o assunto.
O Gladiador - imagem da internet
Nos meus últimos dias eu pensei na vida que eu levei. Na minha curta vida, sim, mas que me fez muito feliz. Eu fui seu pai e marido da sua mãe. O que mais eu poderia querer? Isso me deu paz. Faça o mesmo.
Um conselho: não precisa ter medo.
PS: Tô com saudade.



Aproveite melhor sua vida, viva-a intensamente, faça coisas de valor, deixe um legado! Seja uma pessoa de valor!